quinta-feira, 24 de março de 2016

Eça & Outras, sexta-feira, 25 de março de 2016

A Confraria dos Carolas Agrícolas do Norte

Tem-se geralmente vindo a considerar que as confrarias gastronómicas e enófilas são um fenómeno recente de sociabilidade portuguesa, posterior aos anos oitenta do século passado. Se tal, de um modo geral, é verdadeiro, vamos demonstrar que houve exceções. Sendo certo que entre nós as confrarias religiosas remontam à Idade Média e que em muitas das suas ações será difícil distinguir o âmbito religioso do profano, o que é certo é que, antes da laicização da sociedade a partir da Revolução de 1820 e da influência maçónica consequente, elas reportavam-se sempre a uma invocação religiosa e existiam alojadas numa igreja ou capela. Este argumento existiu mesmo até 25 de abril de 1974, pois foi ele que, invocado pelo governo civil de então como representante distrital do Estado Novo, impediu a legalização da Confraria do Vinho do Porto antes daquela data. Ainda nos anos sessenta, procurando contornar aqueles impedimentos, constituiu-se em Lisboa a Colegiada de são Martinho, a primeira associação báquica portuguesa. As atualmente existentes remontam todas ao período de democratização da sociedade. Só em França havia então dezenas de confrarias báquicas sob a denominação de confrairies, ordres, compagnons, e outras.
Mas em Portugal nem sempre fora assim: durante a Primeira República constituíram-se algumas confrarias laicas, encerradas ou desaparecidas após 28 de Maio de 1926, à exceção da Confraria dos Carolas Agrícolas do Norte, fundada nos anos trinta no Solar Condes de Resende, por Karl Frithiof Waldemar Löfgren, um sueco então aí residente, radicado em Portugal desde o começo do século XX. O mais curioso, e então provavelmente ignorado, é que nesta mesma Casa, no colapso da Liga Patriótica do Norte, esteve para existir uma «organização de amigos, a Ordem dos Mateiros…» fundada por Antero de Quental, com a imediata adesão de Eça de Queirós e do Conde de Resende [D. Manuel de Castro Pamplona, seu futuro cunhado] «que logo se ofereceu para mandar erguer o mosteiro, nas suas terras de Canelas ou de Resende» (MÓNICA, Maria Filomena (2001) – Eça de Queiroz, 4ª edição. Lisboa: Quetzal, p. 279/280).
O fundador desta outra confraria foi um homem deveras singular: de religião protestante, monárquico convicto e fisioterapeuta, em 1909 era proprietário do Instituto Mecanoterápico do Porto onde ministrava sessões de massagem e ginástica médica. Em 1912 foi delegado do Comité Olímpico sueco para a promoção na Península Ibérica dos jogos de Estocolmo. Em 1918 era gerente da Grand Pension de Nort, na praia da Granja em Vila nova de Gaia. Em 1926 é representante no Porto da Sociedade SKF Limitada, vendedora dos célebres rolamentos. Em 1930 residia na Quinta da Paradela em Pedroso, onde promovia «demonstrações de moderna cultura mecânica», precedidas de notáveis almoços frequentados pelos seus numerosos amigos, incluindo os párocos católicos da região. Com o seu amigo e indefetível republicano dos Carvalhos, Manuel Rodrigues dos Santos Costa, em 1932 funda o Sindicato Agrícola de Pedroso, que promovia a cultura do milho e um concurso de maçarocas, com o qual se apresenta, vestido de «agricultor português» à frente de um grupo de Padeiras de Avintes devidamente trajadas, no cortejo de abertura da Exposição Colonial de 1934, que teve lugar no Palácio de Cristal no Porto, comissariada por Henrique Galvão. O sindicato viria a ser dissolvido a 15 de dezembro de 1940 com apresentação pública de contas.
Em 1935 já residia no Solar dos Condes de Resende, datando daí em novembro desse ano uma comunicação intitulada «Alguns alvitres para fomento de Turismo no Norte de Portugal» apresentada em 1936 no I Congresso Nacional de Turismo, realizado em Lisboa, onde preconizava várias medidas para atrair turistas nórdicos ao noroeste do país e à Madeira, fixando-os temporariamente nos hotéis, mas também através do turismo rural e de habitação, propondo-se para tal constituir uma empresa em nome individual.
Deverá datar destes anos e da sua permanência nesta Casa a ideia da constituição da Confraria dos Carolas Agrícolas do Norte, a qual a 2 de junho de 1945 celebrou o seu 100º almoço mensal no restaurante Lusitânia na Rua do Bonjardim n. 383, na cidade do Porto, tendo na ocasião sido entregue ao fundador um pergaminho assinado por todos os presentes, cerca de cinquenta comensais, com uma capa de veludo bordeaux com uma artística placa em latão decorada com espigas e cachos de uvas e a legenda gravada: «AO/TIO WALDEMAR PEDROSO/LEMBRANÇA DOS CAROLAS AGRÍCOLAS/2 JUNHO 1945», sendo no documento a associação designada por «Velha Confraria dos Carolas Agrícolas», tendo então sido conferido o grau de «Carola-Mor da Agricultura Nortenha» a este «cidadão sueco-português …pela esclarecida e incansável tenacidade que tem posto ao serviço da lavoura de Portugal». De entre os presentes, que assinaram o documento, destaque-se a presença de Joaquim Rodrigues dos Santos Júnior, professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, que viria a ser o fundador da Reserva Ornitológica de Mindelo; Mário Kol d’ Alvarenga, formado pelo Instituto Superior de Agronomia de Lisboa e editor dos quinze volumes da Obra de Eça de Queirós do centenário, também co-fundador do Sindicato Agrícola de Pedroso; e Exequiel de Campos, antigo ministro da Agricultura e professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.
Tendo também vivido posteriormente na Quinta do Mosteiro de Pedroso, sobre si próprio escreveu: «Tive bons professores e mentores, ensinaram-me a… ter principalmente três aspirações para poder viver feliz: boa saúde, bons amigos e trabalho bem remunerado». Aspirações de um verdadeiro confrade.
Casou com D. Emília Jesus Figueiredo Löfgren, tendo deixado descendentes que ainda hoje vivem em Vila Nova de Gaia. Jaz sepultado no Cemitério Novo de Pedroso, Vila Nova de Gaia.

J. A. Gonçalves Guimarães
Mesário-mor da Confraria Queirosiana

Vida associativa

FPCG
          No passado dia 11 de março decorreu no Museu da Enguia na Murtosa a assembleia geral ordinária da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, tendo a Confraria Queirosiana sido representada pelo presidente da direção, Prof. Doutor José Manuel Tedim.

ASCR-CQ
         No próximo dia 30 de março irá ter lugar no Solar Condes de Resende a assembleia geral ordinária para análise do relatório e contas referente ao ano de 2015. Paralelamente decorrerá a assembleia geral eleitoral para os corpos gerentes do mandato 2016/2020, decorrente da última revisão de estatutos. A direção cessante apresenta ao ato eleitoral uma lista com os seguintes candidatos: mesa da assembleia geral – presidente, César Fernando Couto Oliveira; secretários, José António Martin Moreno Afonso; Nuno Miguel Resende Jorge e Mendes; suplentes, Henrique Manuel Moreira Guedes e António Manuel Lacerda Vieira; direção - presidente, José Manuel Alves Tedim; vice-presidente, Luís Manuel de Araújo; secretário, Joaquim António Gonçalves Guimarães; tesoureira, Amélia Maria Gomes Sousa Cabral; vogais, Carlos Alberto Dias de Sousa; Susana Maria Simões Moncóvio e António Pinto Bernardo; suplentes, José Manuel de Carvalho Ribeiro e Manuel Guimarães da Fonseca Nogueira; conselho fiscal - presidente, Manuel Filipe Tavares Dias de Sousa; secretário, Pedro Almiro Neves; relator, Ilda Maria Oliveira Pereira de Castro; suplente, Laura Cristina Peixoto de Sousa. A tomada de posse será imediata ao encerramento do ato eleitoral.

FAMP
         No dia 9 de abril vai realizar-se no Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra, a assembleia geral da Federação dos Amigos dos Museus de Portugal, da qual os Amigos do solar Condes de Resende – Confraria Queirosiana são membros, a que se seguirá, depois de almoço, uma visita guiada ao museu.

Livros, revistas & jornais

Eça reeditado
         A editora Guerra e Paz acaba de pôr no mercado uma nova edição de “A Cidade e as Serras”, a obra póstuma de Eça em que este se mostra dividido entre o Portugal tradicional e campesino e os destinos cosmopolitas de alguns dos seus cidadãos mais afortunados. A reler sempre com encantamento.

Rentes de Carvalho no Correio da Manhã
         A partir de 25 de março J. Rentes de Carvalho passa a assinar todas as sextas-feiras uma crónica semanal no jornal Correio da Manhã intitulada “Mata-Bicho”, escrita com toda a liberdade pelo autor de O Meças.

Edições da Póvoa de Varzim



A Câmara Municipal de Póvoa de Varzim acaba de editar o livro “Luís Rainha. Um Poveiro Memorável (1915-2012)” coordenado por Manuel Costa, coedição da autarquia e da Fundação Dr. Luís Rainha, sobre a vida, obra e escritos desta figura incontornável da Póvoa do século XX.
Entretanto a Roma Editora publicou mais um volume da “Obra Selecta. Tomo II – Religião política e Sociedade, vol. II” do Professor Doutor João Francisco Marques nosso confrade falecido em 2015, o qual reúne mais um conjunto de textos notáveis deste antigo docente da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, nomeadamente os sobre as minorias religiosas em Portugal

Os Tempos e os Sinais




No próximo dia 6 de abril será apresentado por Isabel Ponce de Leão no Café Guarany no Porto o novo livro de poesias de Maria Virgínia Monteiro intitulado “Os Tempos e os Sinais”.

Palestras & colóquios

Encontros com a Arte
         A partir de 6 de Abril, na sede da Associazione Socio-culturale Italiana del Portogallo Dante Alighieri no Porto, vai decorrer um curso sobre a pintura italiana de Giotto a Tiepolo, ministrado pelo Prof. Doutor José Manuel Tedim, às quartas-feiras entre as 18.30 e as 19.45 horas A frequência implica inscrição prévia.

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios
         No próximo dia 16 de Abril o Solar Condes de Resende, em colaboração com o Gabinete de História, Arqueologia e Património dos ASCR – Confraria Queirosiana, vai promover um colóquio a partir das 15 horas integrado naquelas comemorações promovidas em Portugal pela Direção Geral do Património Cultural, este ano subordinadas ao tema “Desporto um Património Comum”, sendo palestrantes: J. A. Gonçalves Guimarães sobre “O apoio de uma empresa de Vinho do Porto (Casa Ramos Pinto) ao Desporto em Portugal e no Brasil”; Licínio Santos sobre “ A História do movimento associativo em torno do Desporto em Vila Nova de Gaia”; Maria de Fátima Teixeira sobre “O Campo de Jogos Comendador Pimenta da Fonseca (Lever), e David Guimarães sobre “Jogos Olímpicos: guerra entre nações, paz entre os homens”. A entrada é livre.

Artes

Prémio Dr. Vasco Valente
         A empresa vinícola Quinta do Vale Meão, através do Círculo Dr. José de Figueiredo – Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis, promove o Prémio de Artes Decorativas Dr. Vasco Valente, no valor pecuniário de 2.500 euros destinado a galardoar um trabalho, inédito ou não, sobre aquela temática.
_______________________________________________
Eça & Outras, IIIª. Série, n.º 89 – sexta-feira, 25 de março de 2016; propriedade dos Amigos do Solar Condes de Resende - Confraria Queirosiana; Cte. n.º 506285685 ; NIB: 001800005536505900154 ;
IBAN: PT50001800005536505900154; email: queirosiana@gmail.com; www.queirosiana.pt; confrariaqueirosiana.blospot.com; eca-e-outras.blogspot.com; vinhosdeeca.blogspot.com; coordenação da página: J. A. Gonçalves Guimarães (TE-638); redação: Fátima Teixeira; inserção: Amélia Cabral.




Sem comentários: